quinta-feira, 11 de outubro de 2012

CERTAS CANÇÕES




Ouço uma voz que entoa canções
enquanto a nostalgia me envolve
numa carícia aveludada em notas sutis
em pureza d’alma que transborda emoções

Voz que o vento traz de longe, muito longe
em vagas e doces lembranças que ressuscitam
como folhas amarelecidas sob meus pés descalços
que ao mais leve pisar farfalham docemente

Certas canções me deixam assim
trazem em si uma saudade dolorida
no despertar das paixões adormecidas
já maturadas pelo tempo que se foi

Nos amores que passaram sem aviso
e ao cair da tarde, no outono da vida,
revolvem suaves lembranças na alma
da partida que se fez em silêncio


Ianê Mello


Inspirado na canção “Uma voz no vento”- Leila Pinheiro
http://www.youtube.com/watch?v=wilwYraG6A0




*
Pintura de Johnny Palacios Hidalgo

3 comentários:

Filipe Dias disse...

Olá, moça, achei seu blog pelos finalostas do Top blog em literatura, e gostei do que eu vi aqui, parábéns.


adoro mmetafora com canções e seu pema me agradou, parabéns.



quando tiver tranquila, passe lá em meu espaço http://umcontoemeio.blogspot.com.br/

beijos

Dulce Morais disse...

Ianê, se continua a perder-me nos seus "Labirintos" é para melhor me encantar com os seus versos. Estes são belíssimos.
Parabéns!

O Profeta disse...

Se o mar adormecer em desvario
As ondas não mais se formarem
Se as gaivotas se perderem do ninho
As árvores mais altas tombarem

Se o dia não encontrar a manhã
As nuvens deixarem de chorar água pura
Se as pedras da ilha roubarem a cor ao verde
As tuas palavras deixarem de ser raiva dura


Boa semana


Doce beijo