terça-feira, 30 de julho de 2013

PRENÚNCIO




Penumbra...
sombras arqueadas
vertigens do dia
silêncio...
vozes inaudíveis
sentires, tremores
vida que se esvai
gotas de melancolia
derramadas
sonhos dispersos
olhar que prescruta
escuridões submersas
sons habitados
no vazio
noite que avança
pela madrugada
em tons púrpuras
sentir é preciso
rasgar a carne
sangrar a ferida
rosa de espinhos
cravejada
macias pétalas
rubras
inevitável ferida
será assim a vida
esse prenúncio da morte?



Ianê Mello

(30.07.13)

*

 Fotografia de Amber Ortolano .

*
Poema inspirado em Jean Michel Jarre - Rendez-Vous 1986 (Full Album)


2 comentários:

António Jesus Batalha disse...

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

Paulo Knop disse...

Muito bom.