sexta-feira, 22 de outubro de 2010

O Humano II

Ans Markus




E eu me converto em luz
na escuridão faz-se o grito
Arcaico , primitivo,
urro de transmutação
E eu me transformo em ar
Plano sobre os campos
leve, volátil, rarefeito
Alcanço novas esferas
Perene, tranquilo...
num reconhecimento íntimo
do âmago do ser
Ser complexo e simples
Dual e par
Sem sentido, desconexo
Harmônico e belo
Parideiro de emoções
Conflituoso e conflitante
Espasmo e contração
Prematuro na essência 
Renascido no amor
Ungido no pecado
Santo e profano
Misto de loucura e sanidade
Ladeado de saudade
Caçador de si.


Ianê Mello





6 comentários:

Leonardo B. disse...

[e no entretanto, o tanto vasculhar da semente, palavra que se arruma no recôndito da terra, o caçador adormece, no chão, em si]

um imenso abraço, Ianê

Leonardo B.

Ianê Mello disse...

Amigo,

fico feliz em vê-lo por aqui.

Bela imagem construída a partir do meu poema.

Abracimenso.

Albuq disse...

Humano, complexo, dúbio... santo e pecador, acredito que temos muito em nosso intimo.

lindo!

Ianê Mello disse...

Obrigada, Albuq. É com prazer que recebo seu comentário em minha página.
Um abraço.

Dilmar Gomes disse...

Oi amiga, este poema também é muito bom, no nível do Humano l.
Um grande abraço.

Ianê Mello disse...

Obrigada, Dilmar.
Acompanhe a série. Bjs.