domingo, 24 de outubro de 2010

Vestida de Palavras

Alexandre Jacques Chantron



Procuro a poesia certa, 
como uma roupa na medida exata, 
para vestir a minha alma nua. 


- Byafra - 


Palavras que me vestem
como uma nobre dama
com a perfeição celeste
do corpo que é a chama

Palavras belas e puras
Palavras por vezes cruas
Palavras que se perdem
Palavras que se medem

Palavras... palavras...
Buscadas à exaustão
Palavras como lavas
de um vulcão em erupção

Simples palavras vãs
que dissolvem a solidão
Palavras que são divãs
que enredam doce paixão

Palavras que em seu olhar
me livram da escuridão
Palavras sim, palavras não
Palavras do verbo amar


Ianê Mello

4 comentários:

Anna Amorim disse...

Ianê,

Tão feminina tua poesia, "palavras que vestem minhas alma nua..."
Indentifiquei-me!
SEMPRE é gratificante ler teus poemas e circular neste espaço tão bem cuidado.

Palavras que nos salvam!

Beijos carinhosos

Ianê Mello disse...

Obrigada, querida.
Fico feliz em recebê-la no meu espaço.
Obrigada pela carinhosa visita.

Beijos com meu carinho.

Marcelino disse...

São as "Palavras aéreas" de Cecília Meireles ou as "Palavras ao vento" cantadas por Cassia Eller, mas são palavras.

IVANCEZAR disse...

Palavra - matéria prima do artesão - na produção de da sublime poesia. Ando muito ausente, passo para dizer que há vida no sul do Brasil, não obstante latente, consumida pela fúria do dia-a-dia. Bjs