sábado, 2 de março de 2013

MARIONETES




O amor
essa estranho sentimento
chega e preenche
todos os espaços
todas as brechas
todos os vãos
com sua grandeza
sem limites
toma conta de tudo
se alastra como erva daninha
penetra em nossos poros
desvenda nossa alma
de nosso corpo se apodera
e nós, fantoches de um teatro
ilusório e mágico
por ele somos manobrados
sem forças
sem defesas
totalmente entregues
em suas mãos
objetos de seu desejo
por ele somos usados
para seu próprio deleite
até que saciado
ele de nós se cansa
e assim como chegou
simplesmente vai embora


Ianê  Mello

(02.03.013)

*

Fotografia de autoria desconhecida

Um comentário:

João Carlos Lima LIMA disse...

O amor se cansa e de tanto amar procura afastar-se, para não prejudicar a quem ama, se cala e deixa falar. Não esplora se entrega, não tira se dá, não bate apanha, não ataca se defende, não mata morre ou volta. Gostei muito.