sexta-feira, 17 de setembro de 2010

À Camille Claudel e sua bela escultura " Sakountala "


    

Camille, Camille, és mulher...

Acorda do teu sono tão profundo.
Para além dos olhos do amado
existe um vasto mundo
a ser por ti desvendado.

Levanta-te, mulher, 
abras teus olhos e vejas
e tudo o que desejas
poderá estar à teus pés!

Esqueças o amor petrificado,
em mármore frio eternizado
e vivas em ti o amor encarnado
na figura de um homem real.

De carne e osso, humanizado.
Amor , sem artifícios, natural.



Ianê Mello



Visite-nos em " Diálogos Poéticos " e acompanhe o diálogo poético entre Barbara Lia, Marcelo Novaes e eu.
 

Reciclado para  Fábrica de Letras  à 20 de janeiro de 2010.

2 comentários:

Adolfo Payés disse...

Perdón por mi ausencia de estos días.. no me siento muy bien de ánimos.. Ya mas tranquilo me pondré al día con sus blog.. mas adelante.
Lo siento.

Un abrazo
Saludos fraternos..

Ianê Mello disse...

Payes, meu amigo,

espero que esteja bem agora.

Eu compreendo, isso acontece com todos nós.

Sua presença faz falta.

Obrigada pelas notícias.

Un abrazo.
Saludos fraternos.