terça-feira, 18 de janeiro de 2011

A MATURIDADE

Pintura de Francine Van Hove



Essa imagem que meus olhos fitam refletida no espelho,serei eu?
Pareço diferente aos meus próprios olhos. Algo mudou mas não identifico exatamente o que.
É certo que o tempo passou. Lá se foram alguns anos de minha vida. A pele já não tem o mesmo viço e frescor. Os olhos, ligeiramente inchados nas pápebras, já não possuem o brilho de outrora. Há linhas de expressão, ainda que leves, a se formar em meu rosto. Já posso vê-las. Meu corpo, ah, meu corpo... já não possui as curvas tão definidas e o desenho dos músculos já se perdeu. Mas também, o que eu poderia esperar, já não sou mais uma jovenzinha.
Sim, a vida passa e deixa suas marcas, umas visíveis, outras não. As que vejo no espelho e me impressionam (preferia não tê-las) são, de certa forma, as de menos importância. Em meu coração abrigo cicatrizes, que por vezes ainda sangram como feridas abertas. Dores de amores mal vividos, de significativas perdas, de sonhos naufragados, de desejos inconfessos. Essas, sim, são as marcas, que embora não expostas, incomodam mais. Mas é claro que também, a vida já vivida me transmitiu um legado positivo. Até mesmo o sofrimento e, principalmente ele, nos faz evoluir. Posso dizer, então, que meu maior ganho nesses anos tem sido a cada dia, me descobrir, me conhecer, me aceitar e sentir amor, verdadeiramente, por esse ser que enfrenta o próprio medo e se faz a cada passo mais inteira.




Ianê Mello

12 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Olá querida amiga. Ah, a temida maturidade! Há algum tempo dávamos tudo para permanecermos jovens! Mas o tempo passa e como tu escreves com propriedade, ficamos marcados. Mas o fluir do tempo e, consequentemente, a passagem da nossa vida é algo que não podemos impedir, então não nos resta outra alternativa senão aceitar.
Um grande abraço.

Arnoldo Pimentel disse...

O tempo passa e deixa suas marcas, lindo seu texto.Parabéns e tudo de bom pra você,beijos.

Ianê Mello disse...

É verdade, Dilmar, temos que ver os pontos positivos dessa maturidade alcançada e seguirmos em frente.

Abraços.

Ianê Mello disse...

Sim, Arnoldo, não há como não deixar.
É seu registro em nós,

Felicidades!!!
Bjs.

Ana Tapadas disse...

O tempo deixa marcas,porque vivemos...minha amiga hoje tocaste-me fundo!
Beijo

Ianê Mello disse...

Olá, Ana!

Bom que gostou.

Grande beijo.

Guará Matos disse...

O tempo passa por nós com a velocidade de uma tempestade de arei e deixa marcas. Entretanto, nós temos que nos adaptar com novos tempos que irão surgir. Seguir firme e articulados.

Bjs.
____
Que imagem gostosa de ver.

Guará Matos disse...

Lindo esse texto e que imagem maravilhosa! De uma sensualidade extrema e que mostra a maturidade libidinosamente gostosa.

Bjs.

Ianê Mello disse...

Obrigada, Guará pela adesão e comentários.
As pinturas de Francine Van Hove são fantásticas.

Bjs.

blog da Paraguassu disse...

Olá amiga,
É, Ianê, o tempo não nos poupa. Mas, em contrapartida, ganhamos em experiência, em sabedoria, em coisas que só a alma conhece. E é tão bom vivermos, em qualquer idade, toda essa bagagem que albergamos com o passar dos anos.
Beijo grande,
Maria Paraguassu.

Andressa disse...

pensei hoje sobre maturidade...

Ianê Mello disse...

Impossível não pensar...

Bjs.