quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Saudade Transversa



A saudade que sinto
é uma saudade ingrata
muito mais que uma lembrança
daquilo que um dia tive
é saudade que se agiganta
e em meu peito faz morada
saudade mais que doída
saudade malvada
daquilo que nunca tive
de tudo o que não vivi
e essa saudade me dilacera
faz sangrar o peito
e quem me dera
fosse possível não sentir
arde como fogo
inflama como chama
me deixa em desalinho
e a mim proclama
em versos que choram
em palavras que inundam.





Ianê Mello





Inspirada em Simples Saudade e Sangrando - Gonzaguinha- Intérp.: Selma Reis.

4 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Amiga Ianê, muito bom o teu poema. Certamente, o espírito do Gonzaguinha, agradece a homenagem.
Um abração. Tenhas uma linda noite.

Tatiana Moreira disse...

A saudade é a mais rica e por vezes doída forma de inspiração.

Um abraço carinhoso

Cristian disse...

Saudade do que nunca se viveu é tapar os olhos para o belo que um dia foi vivido.
Em se olhar pra trás, há muitas utilidades, e inutilidades.


Beijos!
Até mais

Ianê Mello disse...

Agradeço a todos os amigos pelos comentários.
Voltem sempre!

Beijos.