domingo, 30 de maio de 2010

Vida que se esvai


 
A vida é um poço sem fundo
Busco a saída e não encontro
É tudo escuridão...breu
Meus olhos buscam  a luz
mas acho que estou cega
Onde está o brilho dos meus olhos?
Olhos fechados para a vida
Costurados pela dor
Onde me perdi de mim
De meu sorriso franco e aberto
De minha força de viver?

Onde está a "Walkíria"
brava lutadora
em seu belo cavalo branco?

Ou que sabe "Lady Godiva"
a quem a todos escandalizou
bela e desnuda em seu cavalo?

O poço é profundo demais
Tento abrir meus olhos
e entrever alguma luminosidade

Mas ninguém pode me ver
é muito escuro e profundo
O inconsciente é submerso
nem todos podem acessá-lo

Sinto em mim uma nesga de força
Uma vontade sutil de viver
Mas até quando aguentarei ficar aqui?

.............................................................

Faz muito frio....

Ianê Mello




9 comentários:

Solange disse...

eu também preciso encontrar forças pra sair do meu escuro...
bjo.Sol

Ianê Mello disse...

Comprendo, querida, mas nós conseguiremos.

Grande beijo.

Juan Moravagine Carneiro disse...

Temos que seguir sempre em frente e não parar nunca, não importa o tamanho do desastre havido...

abraço!

Ianê Mello disse...

JUan,

obrigada, amigo. Bjs.

Maria João disse...

Gostei de me "perder" nestes labirintos da alma. A Ianê vê e sente para além do que os outros vêem e sentem. Parabéns.
Gostava de não a perder de vista.

Um abraço
Maria João

Ianê Mello disse...

Maria,


só alguém com tamanha sensibilidde poderia enxergar isso e você com certeza a tem.
Perder-me de vista, por quê?
Agora que nos achamos, tenho certeza que isso não acontecerá.
Nada acontece por acaso, amiga.
É um prazer recebê-la, de coração.

Grande abraço.

Arnoldo Pimentel disse...

Temos sempre momentos escuros, mas devemos procurar os caminhos da claridade.Linda poesia.Parabéns

Ianê Mello disse...

Arnoldo,


são momentos...e passam.

Agradeço o carinho.

Grande abraço.

Ana Tapadas disse...

O poema é o momento, a emoção, a impressão...
Espero, Ianê, que a nuvem negra tenha passado e que o teu sorriso largo volte.
Beijo