quinta-feira, 3 de junho de 2010

Mais um dia...


Tela de Francine Van Hove


Acordei...mais um dia
Vesti-me como uma autômata
Jeans,camiseta e tênis
Cabelos em desalinho
Olhos de uma noite mal dormida

Dentro do peito um vazio
Uma vontade de nada
Bati a porta de casa e saí
Tudo parecia tão igual
Eu tão igual a mim mesma

Os olhos embaçados
turvavam minha visão
Seriam lágrimas que rolavam em minha face?
Não importa, é sempre assim

Caminhei...caminhei... quanto tempo não sei
Tanto faz, afinal, o que é o tempo?
Pensava que ao sair à rua encontraria mais calor
Mas senti mais frio do que antes

Pensava encontrar rostos amigáveis,
uma palavra, um abrigo
Mas meu corpo estava frio
Cada vez mais gélido

Voltei pra casa correndo
Deitei enrodilhada em minha cama
Puxei o edredon até não mostrar mais meu corpo
Pouco a pouco meu corpo se aqueceu...

Adormeci.



Ianê Mello

11 comentários:

Lídia Borges disse...

Oh!
Há dias que amanhecem cheios de um desses nadas com o qual nada podemos fazer. Deixar o corpo esquecer e adormecer pode ser o suficiente para recuperar forças e, de novo... "ir à luta". Tem de ser!

Um beijo

Wanderley Elian Lima disse...

Olá menina
As vezes não encontramos em lugar nenhum o calor que tanto procuramos, aí dá um sensação de vazio tão grande que nos perdemos em nós mesmos.
Beijos

Leonardo B. disse...

[uma das qualidades que mais admiro no Sol, astro de todas as vidas, é que apesar da nuvem que o encobre, ele está lá... e não desiste, mesmo apesar do longo Inverno!]

um imenso abraço, Ianê

Leonardo B.

Lara Amaral disse...

Há dias em que só o colchão nos envolve.

Beijos, querida!

Ianê Mello disse...

Obrigada,


meus queridos amigos.

Sinto-me acolhida pelo carinho de vocês.

Grande beijo.

Solange disse...

o importante amiga, foi que vc saiu..apesar de sentir muito mais frio lá fora..e não ficou em casa arrependida de não ter tentado..
mas...
nada como a casa da gente..
nada como o nosso corpo bem aquecido, mesmo que seja por um edredon...rs
bjs.

Ianê Mello disse...

Sol,

é verdade. Às vezes é necessário fazer o movimento, senão a gente se fecha cada vez mais e não resolve.

Obrigada pelo carinho, amiga.

Grande beijo.

Saulo Nunes disse...

oi menina vim ler mais um pouquinho aqui sempre muito belo o que a senhorita escreve bjinho linda

Ianê Mello disse...

Saulo,

engraçado, estava acabando de te pedir para aparecer. Bjs.

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Adorei!

Ianê Mello disse...

Obrigada.