sexta-feira, 18 de junho de 2010

Amarras




Gostaria de dizer palavras fáceis
Doces como o mel ao se saboreá-lo
Sinto decepcioná-los, mas essas palavras
são amargas como fel
e difíceis de engolir

Quem disse que a dor não existe
e que não há motivo para ser triste?
Quem dise que a vida é fácil
Bastando vivê-la com sabedoria?

Quem disse que o sol nasce todos os dias
e a lua sempre brilha majestosa?
Quem disse que  o viver é aprender
a criar com as próprias mãos as possibilidades?

Quem disse que as intempéries são pequenas,
fáceis de se livrar a qualquer momento?
Quem disse que é simples o discernimento
da melhor escolha para nossa vida?

Por vezes nem temos o poder da escolha
e nos sujeitamos ao que nos é escolhido
Viver dentro de uma grande bolha...
pra mim não faz nenhum sentido

Amarras não as quero mais
De  que me servem as mãos atadas?
Quero-as livres pra sentí-las como minhas
Quero escavar meu próprio chão

Não se engame, meu amigo...

A vida, não é fácil não.


Ianê Mello

8 comentários:

Machado de Carlos disse...

Uma Poetisa iluminada, espargindo beleza e sabedoria. Sempre aguardamos que a vida seja bela e, que não haja algemas. Os versos são tristonhos, entretanto em cada palavra vejo uma parte da artista, representando a vida comum do instinto da mulher, um sexo frágil, mas que se transforma em Super- mulher superando os músculos, entre “aspas”.
Peço a Deus que sempre enobreça o seu coração.
Um grande abraço!

Ianê Mello disse...

Meu amigo,

como podes enxergar tão bem a minha alma.
Me descreveste nesse comentário e é com todo respeito que lhe agradreço as palavras e a presença.

GRane beijo.

HM disse...

A dor é necessária, é ária que a alma canta, echendo o ambiente de ar...
Fugir ao revés, deixar para trás o que és, não seria melhor, por isso, cresces no adverso e o simples criar de um verso...te deixa melhor!

Abraço carinhoso!

AC disse...

Tem razão, a vida está muito longe de ser uma linha recta. E é a trilhar os seus caminhos sinuosos que a vamos filtrando, que vamos esculpindo a nossa vontade, os nossos anseios, as nossas convicções...

Um beijo

Zélia Guardiano disse...

Lindíssimo, Ianê!
A cada dia tu te superas. Gostaria de saber de que fonte bebes, para ir lá também...
Grande abraço, querida!

Solange disse...

são poemas assim, que aumenta o meu apreço por uma grante poetisa como vc..
na maioria das vezes, poetamos linhas contendo algumas lágrimas, mas que sempre adoçam o coração de quem as lê..
bjs..saudade.

Ianê Mello disse...

Meus queridos amigos,

vocês não podem imaginar a alegria que sinto ao ler seus comentários,ao sentir neles sua amizade e carinho.

Nada vale mais do que isso.

Ser "ouvida ",através de meus poemas, compreendida e , ainda, admirada por vocês.

Agradeço à Deus pela presença de vocês aqui e em meu coração.

Um imenso e forte abraço.

Ernâni Motta disse...

Ianê, tomei a liberdade de publicar, no meu blog, esse seu poema. Muito obrigado, pela compreensão.
E quero lhe dizer que a escolha dessa poesia deu-se por eu ter visto alguma tristeza, que, paradoxalmente, faz de você uma mulher forte e disposta a ir à luta. Uma página de ensinamento, enfim.
Beijos e tenha um ótimo fim de semana.