domingo, 20 de junho de 2010

Carta Perdida






















Uma carta um dia escrevi
e nela eu revelava meu eterno amor
Palavras tolas e infantis
pois eu era apenas uma criança
e nada sabia da vida, do mundo

A eternidade do amor 
era por mim acreditada
como o sentimento mais lindo 
que um ser humano possa ter

Eu acreditava na"cara metade"
naquele ser que um dia
havia sido de mim separado
e retornaria como luz para meus olhos

Bastaria que nos olhásemos 
para que nos reconhecessemos
E mais nada na vida importaria
A beleza se faria presente em nós

Onde se encontra essa carta?
Garanto não sabê-lo mais
Ma ela bem poderia ter sido engarrafada
e jogada ao mar como em filmes de amor

Mas não foi e ainda espero
ou não mais espero, essa alma gêmea
Esse amor eternizado pelo tempo
Esse amor de contos de fada.

Ianê Mello

8 comentários:

Lara Amaral disse...

A gente espera por coisas eternas, mas tudo tem fim.

Beijos, Ianê.

Insana disse...

Lindo seu poema..
nao espere por respostas, pois para sentimentos como os seus não a respostas.

Bjs
Insana

Solange disse...

o meu amor partiu, mas tenho certeza que um dia volta..
bjs.

Helcio Maia disse...

Escreverei uma carta de amor, evocarei a criança que há em mim, pois suas fantasias, suas risadas, a curiosidade pelo mundo, a emoção a cada novo dia, pelo simples fato de amanhecer, a ludicidade, om prazer de olhar o céu e o mar...ainda estão por aqui.
E a entregarei ao mar...quem poderá encontrar?

Graça disse...

Esperar e não esperar... resumo de vida. Gostei do teu poema.


Beijo, querida Ianê, e boa semana.

Ianê Mello disse...

Obrigada à todos os amigos pela visita e pelos comentários.

Voltem sempre.
Grande beijo.

Endim Mawess disse...

inspirador saber que seu coração sente tudo isso.

Ianê Mello disse...

Endim

e muito mais....

Obrigada pela visita.

Bjs