segunda-feira, 8 de março de 2010

A Esfinge




Saber-se é preciso
Viver é impreciso
Estar, Ser no mundo
demanda coragem
Ousadia de viver
É para quem se busca
com olhos de águia
sem medo de se descobrir
É para quem não tem medo da dor
É para quem sabe se doar ao amor
Saber-se é preciso
Seu lugar, seu espaço,
sua essência, sua alma,
seus desejos, seus limites
Viver é impreciso
Cada instante uma surpresa,
um sobressalto
Às vezes é preciso saber olhar
lá do alto,
como uma águia alçar vôo,
mudar a perspectiva, o plano
A vida é uma caixinha de surpresas
Nunca se sabe o que se vai encontrar ao abrí-la
Mas é preciso procurar a cada dia
decifrar os seus mistérios
Pois como a esfinge egípcia,
assim é a vida e esse desafio nos lança:
"- Decifra-me ou te devoro! "


Ianê Mello





7 comentários:

jefhcardoso disse...

Bela esfinge você compôs, e ao final, como não poderia deixar de ser, cruel.
Ianê, passando para lhe dar um oi em seu lugar mais pessoal e também para pedir desculpas pelas escassas postagens no Diálogos. O Tempo esta algum tempo a minha frente e eu sempre correndo. (sorrio).

jefhcardoso disse...

Na foto do Benedicto, lá no Dialogos, é o meu garoto. O Davi. Ele tem 9 anos. Não é lindo? (sorrio).
Ele adora fotos.

Abraço!

Ianê Mello disse...

Jefhcardozo,

obrigada pela sua presença aqui.

Imagine, você tem participado de forma brilhante no Diálogos!

Quanto ao tempo, compreendo perfeitamente, o meu também anda muito mais escasso.

Seu filho, que gracinha! Parabéns!

Grande abraço e obrigada pelas participações.

Lara Amaral disse...

Que bonitos e expressivos seus novos poemas, Ianê. Gostei muito deles, sempre bom ler-te, viu?

Beijos!

Machado de Carlos disse...

[b]Coragem

Mulher: - desafias o próprio norte;
Derramas, ao redor, tua energia,
Fazes da noite o teu próprio dia;
Circula nas tuas veias o plasma forte.

Dás muito de ti, e, desafias a morte;
Não ignoras teus momentos de agonia;
Defendes, rude, tua idiossincrasia,
Nem te entregas à própria sorte.

Curvo-me para ti, alma de gigante,
E sigo os teus passos itinerantes;
Deus conhece a boa filha que tu és!

Nasceste para conter o rumor,
Conheço bem o grau do teu amor;
Incontinenti beijo os teus pés!...


Machado de Carlos

Publicado no Recanto das Letras em 17/07/2008
Código do texto: T1084202[/b]

ju rigoni disse...

Ianê,

eu estava lá no reader, lendo desde o primeiro post, e cheguei até aqui.

Lindos, os poemas! Lindos esses amigos que lhe presenteiam com versos. Não pode haver melhor presente que admiração embalada em versos. É especialmente de admiração que se constroem a amizade, o amor, - tudo que realmente vale a pena nesse breve instante que é a vida.

Quanto ao seu poema "A Esfinge", tive sorte de vir aqui hoje e encontrá-lo.

"Estar, Ser no mundo
demanda coragem
Ousadia de viver
É para quem se busca
com olhos de águia
sem medo de se descobrir
É para quem não tem medo da dor
É para quem sabe se doar ao amor"

Belo demais, Ianê!

Bjs, linda. Fico sempre muito feliz com suas visitas e comentários. Inté!

Ianê Mello disse...

JU,

fico muito feliz com suas palavras e visita.

Realmente, essas homenagens dos amigos muito me emocionam e alegram.
Isso é muito importante em nossa vida, o reconhecimento, o carinho, a amizade.

Fico feliz que tenha gostado do poema.

Te convidei, através do e.mail para fazer parte do blog " Diálogos Poéticos".

Gostaria muito que aceitasse o convite.
Você já o conheceu?
Dê um pulinho lá e veja como funciona.

Também fico muito feliz com suas visitas e comentários.

Grande beijo.