segunda-feira, 18 de julho de 2011

O VAZIO DA INÉRCIA



Palavras já não bastam
seus significantes
e significados
sua ortografia
sua etimologia
sua grafia
sua língua
sua linguagem

Palavras expressam
quando isso
é possível
de forma clara
confusa
abstrata
concreta
difusa
prolixa
estéril
inútil
abundante
semeadora

Palavra que não diz
Palavra ausente
Palavra que consente
Palavra sã
Palavra demente
Palavra sincera
Palavra que mente
Palavra viva
Palavra morta

Sentimentos
não cabem na palavra
são maiores
são sentidos
requerem espaço
requerem entendimento

E o ser se perde
e assim se torna
uma sombra
um nada
um plágio
uma efemeridade

O tempo passa
inconsútil
alheio
incorruptível
e deixa nas mãos
o vazio da inércia
um oco de palavras



Ianê Mello



Crédito de imagem: autoria desconhecida(google)

4 comentários:

Sandrio cândido. disse...

A palavra é sempre inacabada, poema perfeito
abraços

Dilmar Gomes disse...

Amiga Ianê, a tua poesia preenche o espaço da espera de ler teus poemas.
Um abraço fraterno. Tenha uma linda semana.

Ianê Mello disse...

Olá, Sandrio. Obrigada pela presença.
Bjs.

Ianê Mello disse...

Que lindas suas palavras, amigo!
Muito obrigada.
Boa semana.
Grande abraço.