segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Leve como o ar






Em perfeito equilíbrio
Corpo que flutua
como se fora leve
desprovido de textura,
de peso ... puro ar
A flutuar, planar
a boiar no céu
a flutuar no mar
Linha tênue
Fina linha
que separa
o SER
do NADA


Ianê Mello



 

10 comentários:

Ana Tapadas disse...

Poema muito sensível e verdadeiro. «Fina linha» é verdade...é mesmo assim.
Beijinho

Ianê Mello disse...

Obrigada, Ana.

Vejo que captou a essência.

Beijos.

Mirse Maria disse...

Levitar é uma experiência única!

Há que se aprimorar na prática da meditação e se entregar totalmente.

Lindo!

Beijos

Mirse

Ianê Mello disse...

Mirse,

o total controle da mente sobre o corpo...

Beijos, querida.

Rafaela Figueiredo disse...

essas questões são tão pessoanas! [adoro!] - e dá pra fazer trocadilho: pessoanas de Pessoa e de pessoas...
bonito tb! =)

Braulio Pereira disse...

doce.mente
plenitude.
altivez.
luz

beijo..

Ianê Mello disse...

Rafaela,


bela observação.

Amo Fernando Pessoa.

Gostei do trocadilho.

;)

Bom te ter por aqui...gostei!

Bjs

Ianê Mello disse...

Para você, Braulio, um acróstico:

Beleza de ser
Raro e cristalino
Amante do amor
Unico em seu sentir
Lírico e suave
Intimidade cativante
O humano em sua expressão.



Que bom que você existe e está aqui,amigo!

Grande beijo.

Marcelo Novaes disse...

Ianê,




Esse corpo mais-que-flutua: coreografa o Espaço.





Beijos,






Marcelo.

Ianê Mello disse...

Marcelo,

adoro seus comentários ... sempre têm algo a acrescentar e valorizar.

Volte sempre, meu amigo, sua presença faz falta.


Forte abraço.