quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Divina Comédia





" Dante Alighieri escribió La divina comedia, donde se mezcla la vida real con la sobrenatural. Muestra la lucha entre la nada y la inmortalidad, una lucha donde se superponen tres reinos, tres mundos, logrando una suma de múltiples visuales que nunca se contradicen o se anulan. Los tres mundos; infierno, purgatorio y paraiso muestran tres modos de ser de la humanidad, en ellos se reflejan el vicio, el pasaje del vicio a la virtud y la condición de los hombres perfectos."

(vídeo e texto retirados do site "La otra piel")



A divina comédia humana
que um dia recebemos como herança
quando éramos ainda crianças
e nada sabíamos do mundo.
Como uma dádiva divina acolhemos
em nossas mãos pequeninas
(Presente tão encantador)
e por ela fomos levados,
dia após dia,
na inocência de quem crê.
Com o coração puro
nos entregamos aos feitiços
e as armadilhas da vida
interpretando os papéis
que a nós eram destinados.

Ao bem fomos apresentados
pela ternura de nossos pais
(quando esta houvera).
Tornando-nos crédulos no amor
que nos confortava em seu berço.
Nos sentindo protegidos,
sem nada a temer,
fomos crescendo na certeza
de que a bondade existia.

O tempo foi passando
e com ele a certeza
pouco a pouco fraquejando
cedendo lugar à dúvida.


O mal, então , se apresentou.
Súbito, traiçoeiro e ameaçador.
Revelando o outro lado
da bondade que conhecíamos.
Com ele, a insegurança se instalou
e a paz que então reinava,
pouco a pouco, desmoronou.


A angústia se fez visível
no temor ao inimigo
e em cada gesto contido
que o medo nos imprimia.
A lucidez tomou conta
da ilusão que antes existia
Do amor como sentimento único
que a natureza exprimia.


A dureza dessa revelação
se fez sentir na alma
e com ela a pureza
escorreu por entre os dedos.
A maturidade tomou a vez
da inocência perdida
e assim nos tornamos
cada vez mais humanos,
com todas as virtudes e vícios
que um humano pode ter.


Viver, então, tornou-se
uma eterna e incansável luta
entre o bem e o mal.
Contrários que co-habitam
em nosso ser cheio de contradições.
O conflito que essa dualidade gera
nos faz desejar o perfeito equilíbrio
entre esses dois contrários-
- nossa " área de conforto",
que nutre e revigora
o amor que nos deu a vida.



Ianê Mello





Reciclado para " Fábrica de Letras " em 20.01.2010.

6 comentários:

Marcelo Mayer disse...

e olha que o paraíso não é nada daquilo. maldita guerra que o papa fez contra dante

Ianê Mello disse...

Marcelo,

com toda certeza.

Bom tê-lo de volta por aqui.

Beijos.

Rafaela Figueiredo disse...

Ianê, querida,
estou de volta! =)
quanto à postagem anterior, juro q qria ajudar. mas, como disse, sou mto lesada e não consigo, sequer, encontrar os links para aquelas poesias - o q mto facilitaria a busca. "/
enfim, sobre esse, referente à 'divina comédia'... gostei mto tb!
a vida é mesmo isso: cheia de contrários!
é o q a torna rica! =)

beijos

Ianê Mello disse...

Rafaela,

obrigada pela presença carinhosa.

Beijo grande.

Adolfo Payés disse...

Un gusto siempre leerte..

Perdón por mi ausencia siempre es un gusto visitarte..

Un abrazo
Con mis
Saludos fraternos de siempre..

Que tengas un buen fin de semana...

Ianê Mello disse...

Payes,

meu amigo, não se preocupe.

espero que estejas saindo fortalecido desse processo.

Grande e forte abraço.