quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Alma Lavada




A chuva cai lá fora
Cá dentro o pranto
E para meu próprio espanto
De mim ela se enamora

Banha o coração por dentro
Como se fora um lamento
Afogando nela as dores
Trazidas por falsos amores


Chuva cai dentro de mim
Levando embora enfim
A tristeza tão guardada
Não restando dentro, mais nada



Ianê Mello

Ouça: New Age (água com piano)
 

8 comentários:

Felipe A. Carriço disse...

Me perdi olhando para fora e para dentro.

Lara Amaral disse...

Gostei muito dos seus recentes poemas. Este, em especial, me tocou muito. Beijos, moça!

Ianê Mello disse...

Felipe,

você sabe discernir bem as coisas.

Beijos.

Ianê Mello disse...

Lara,

fico feliz que tenha se identificado.

Beijos, querida.

Marcelo Novaes disse...

Ianê,



Que a chuva varra...



Beijos,







Marcelo.

Ianê Mello disse...

Marcelo,

com certeza varrerá...

Beijos.

Nilson Barcelli disse...

Querida, este poema é muito belo.
Adorei.
Voto nele.
Beijão.

Ianê Mello disse...

Nilson,

obrigada.

Bjs