domingo, 4 de outubro de 2009

Poema Bailarina


" Uma pirueta
Duas piruetas
Bravo, bravo"

Chico Buarque - Piruetas

Como a bailarina a bailar
num palco iluminado
pela pálida luz do luar
Seu belo corpo a rodopiar
gira-gira no ar...
em movimentos leves e graciosos
ritmados pela música da própria alma

Assim o poeta rodopia
bailando livremente no papel
branco e límpido
que espera plácido e comovido
pela dança de suas palavras
Coreógrafo da alma que é
se entrega à esse momento mágico

E as palavras ganham vida
ao som de violinos e harpas
E convidam a dançar
A bailarina se apruma
Ponta- de-pé e inicia
sua dança-poesia.

Ianê Mello

5 comentários:

Eduardo Lara Resende disse...

Bailarina...
Passei aqui - que gosto de textos bonitos e entendo (e convivo) com bailarina. Parabéns!
Visite http://pretextoselr.blogspot.com/ Lá tem um conto de bailarina.
Abraço.

Ianê Mello disse...

Obrigada e agradeço sua visita.Volte sempre.
Irei visitar o blog que me indicou.
Abraço.

Ianê.

Marcelo Novaes disse...

Ianê,


Dançaste bem.


O e-mail que me enviaste era inválido (o anel que tu me deste era vidro e se quebrou, o amor que tu me tinhas era pouco e se acabou...)


;)

Beijos e parabéns pelo poema!





Marcelo.

Yaya,Mim,Mima disse...

Manguinhas...
Cada vez me surpreendendo mais...
Novamente...

Parabéns,senhorita poeta das profundezas do sentimento...
Que poesia doce...
bjinhus Pandinha

Ianê Mello disse...

Min

Que bom te ver por aqui novamente, filha!

Fico feliz que tenha gostado.

Beijinhos