domingo, 25 de outubro de 2009

Prisioneiro do Passado



















Como uma miragem
na mirada do olhar que sonha
conhecida e doce paisagem
Abismo de ilusões
perdidas em longa viagem
Resquícios de um momento
que passou e não volta mais

Na busca do tempo perdido
há de se encontrar um sentido
para tanto desalento
e a vida como o vento
a escorrer por entre os dedos
das mãos que em vão tentam retê-la

Vida não se retêm, se vive
(e por vezes sobrevive)
ao relento e com alento
num coração despedaçado
nos sonhos acorrentado
contra uma realidade brutal

E não há que ser fatal
pois da vida só se leva
o que é  nosso por direito
Espernear não resolve
Quem se comove?
Não tem jeito... 

Na vida tudo se move
na exata e precisa direção
que no ser  sempre promove
crescimento e renovação
Abrindo novos horizontes
novas idéias e valores
construindo novas pontes
experienciando outros sabores

Não adianta resistir
É o caminho natural
Entregar-se é a única forma
sem debater-se em vão...


Pode parecer até banal
mas é próprio do humano
ao passado aprisionar-se
e com ato tão insano
fechar as portas ao novo

No velho busca conforto
e nos desvãos do passado
qual navio atracado
permanece ancorado 

em seu limitado porto





Ianê Mello






http://literapurablog.blogspot.com/

4 comentários:

Adolfo Payés disse...

Hermoso poema.. me he quedado leyendo con la música y es maravilloso.. un momento muy lindo ester en tu blog..

Un beso


Con un abrazo grande
Y mis
Saludos fraternos de siempre..

Ianê Mello disse...

Agradeço seu comentário e sua visita nos labirintos de minh'alma.

Fico feliz em ter-te tocado na alma.

Un Abrazo.

Felipe disse...

Muito bom esse verso "Vida não se retêm, se vive"! Concordo plenamente! E acho que de certa forma fazemos isso do jeito que podemos... Às vezes retemos um pouco... para no final vivermos melhor! Cabe saber agir no momento certo! Beijão! ;-D

Ianê Mello disse...

Lipe,


Ás vezes nos falta saber qual é o momento certo.

Então...é melhor deixar fluir, em certos mommentos.

Sentir com o coração...

Com a mente observar.


Beijos