domingo, 25 de outubro de 2009

Olhos de Criança
















Nas profundezas do mar
encontro seu olhar
calmo e manso
comos as águas
De um profundo
e infinito azul
Olhos que inspiram
aos mais belos versos

Infinitos em sua pureza
de sua alma de criança
Nos remetem à beleza
dos tempos de nossa infância
Tempo da delicadeza
e de inocência sem fim
Resgatar esse sentir
é desejo que carrego sempre
bem guardado dentro de mim





Ianê Mello



2 comentários:

Felipe disse...

Adorei esse poema! A foto muito criativa! O azul que amo tanto brotando até nas palavras quanto na própria escrita! Minha cara! Hahaha

Ianê Mello disse...

É verdade Lipe.

Tudo a ver contigo,amigo.

;)

Beijos